O Cinturão de Fotons


O Sistema Solar gira em torno de Alcione, estrela central da constelação de Plêiades. Esta foi a conclusão dos astrônomos Freidrich Wilhelm Bessel, Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley, depois de estudos e cálculos minuciosos.

O nosso Sol, neste complexo, está localizado a aproximadamente 28 graus de Touro, e leva quase 26 mil anos para completar uma órbita ao redor de Alcione. A divisão desta órbita por doze resulta em, aproximadamente, 2.150 anos, tempo de duração de cada era.

Descobriu-se também que Alcione tem à sua volta um gigantesco anel, ou disco de radiação, em posição transversal ao plano das órbitas de seus sistemas (incluindo o nosso), que foi chamado de cinturão de fótons. Um fóton é um quantum (partícula) de energia eletromagnética, sendo a mais ínfima partícula de energia eletromagnética, algo que ainda se tem pouco conhecimento na Terra.

O fenômeno do Cinturão de Fótons é um fenômeno astronômico.

Percebido pela primeira vez em 1961, detectado através de satélites, a descoberta do Cinturão de Fótons, marca o início de uma expansão da consciência além da terceira dimensão.

Essa precessão do nosso sistema solar em sentido anti-horário ao redor de Alcione é um fenômeno cíclico e dura, aproximadamente, 25.650 anos. Para cada órbita completa em torno de Alcione, nosso Sistema Solar mergulha por duas vezes nesse anel de micro partículas de radiação, uma vez para o norte e uma vez para o sul.

A passagem por este “anel de fótons” leva, aproximadamente, 2000 anos. Estudos indicam que a Terra entrou no Cinturão de Fótons em 1999.

A última vez que a Terra passou por ele foi durante a “Era de Leão”, há cerca de doze mil anos. Na “Era de Aquário”, que está se iniciando, ficaremos outros dois mil anos dentro deste disco de radiação.

O planeta Terra percorre o espaço (junto com todo o sistema solar) a uma velocidade aproximada de 28.000 km/h.

Ao entrar na região compreendida pelo Cinturão de Fótons, iniciou-se um processo de aceleração no qual a velocidade da Terra pode alcançar 335.000 km/h. Esta vertiginosa aceleração comprime o tempo e o espaço de uma forma inimaginável.

Pode-se supor que todas as coisas de natureza tridimensional passarão por uma extraordinária transformação para entrar em harmonia com a compressão da velocidade acelerada. As células, as moléculas, os átomos, serão rearranjados para facilitar a entrada da luz (chamada de Consciência Crística).

A transição planetária é um período oportuno para evolução física, mental e espiritual, de todos aqueles que estiverem devidamente preparados para esta passagem, mas poderá ser extremamente negativo e destrutivo para os que não se sintonizarem a uma consciência mais ampla. Transformações profundas são esperadas e já podem ser observadas tanto espiritual, psíquica e socialmente, quanto física e ecologicamente em nosso planeta.

Com a intenção de ajudar na atomização energética e vibracional do nosso Sistema diversos seres galácticos, estão presentes de diversas formas. Durante toda essa fase, não estaremos sós; existem em todo o Universo inúmeras raças, culturas e sociedades de seres com consciência mais ampla, cuja principal missão é dar orientação, apoio e até mesmo proteção a todos os planetas em fase de transição da terceira para a quarta dimensão.

Artigo publicado em 2012-02-10 04:19:38.