Dakila Pesquisas: Catastrófes serão cada vez mais intensas


No ano passado, o furacão atlântico apelidado de Irene devastou a região do Caribe, parte da costa leste americana e chegou até o Canadá. Na época, o evento foi classificado como natural e que ocorre a cada cem anos.

Contudo, um estudo conduzido por uma equipe do MIT (Massachusetts Institut of Technology) e pela Universidade de Princeton, encontrou evidências nada animadoras. Segundo a pesquisa, tempestades de alta intensidade e suas inundações violentas vão acontecer em janelas de tempo bem menores que um século.

 Nota da Redação do Dakila Pesquisas: As inteligências de outros mundos parceiras do Dakila Pesquisas há mais de dez anos vem alertando, através do presidente da Associação Dakila Pesquisas, Urandir Fernandes de Oliveira, e mais recentemente pelos mais de 1.500 contatados, sobre o aumento das catástrofes em todo o planeta, sendo este um evento cíclico e que,dessa forma, já ocorrereu na Terra em outras épocas, conforme registram os livros de geografia, história e ciência. Os pesquisadores do Dakila Pesquisas alertam que não se trata do fim do mundo e que isso não irá ocorrer, mas sim o aumento de eventos climáticos como temporais, vendavais, terremotos, atividade vulcânica e solar que afetarão as populações e os continentes.  Agora, a equipe do MIT corrobora essa possibilidade do aumento de eventos catastróficos que, segundo os pesquisadores do Dakila Pesquisas, irá se intensificar a partir de 2012, chegando ao ápice em 2014 e se estendendo até 2018, depois diminuindo. A recomendação é para que as pessoas se preparem, armazenando alimentos, água e medicamentos. Se nada ocorrer, os produtos poderão ser consumidos posteriormente, mas pelo menos houve um preparo que poderá ajudar aqueles que necessitam desses itens. O estudo do MIT se refere a Nova Iorque, mas esse panorama pode ocorrer em diversas cidades, bastando fazer um balanço sobre os eventos que já estão ocorrendo em diversos pontos do planeta.
Os pesquisadores usaram a cidade de Nova York como exemplo de análise. Em média a cada 500 anos, a cidade é alvo de inundações que superam os três metros de altura. A equipe combinou quatro padrões climáticos com amostras de furacões específicos. Os modelos então geraram 45.000 tipos de tempestades, num raio de 200 km da ilha de Manhattan.dakila pesquisas - urandir
 Em seguida, os modelos foram submetidos a dois possíveis cenários. O primeiro, atual, representou o clima entre 1980 e 2000, enquanto o segundo usou previsões do que está por vir entre os anos 2081 e 2100. Tais estimativas, segundo o MIT, foram baseadas em dados do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas sobre as emissões de dióxido de carbono.
 A conclusão é que com o aquecimento global, inundações que superam a marca dos dois metros devem passar a acontecer a cada três ou 20 anos. Enquanto que, a cada 25 e 240 anos, é possível que o nível da água chegue facilmente aos três metros.
 Atualmente, os diques de Manhattan têm apenas 1,5 metro de altura. Ou seja, em qualquer um dos dois cenários previstos pela equipe, é possível que Nova York fique embaixo d’água. A equipe deixa o alerta e enfatiza que os resultados obtidos podem ser usados pelas autoridades para minimizar impactos que tempestades de alta intensidade podem trazer para uma região.

 

FONTE: Fonte: Revista Exame e INFO

Artigo publicado em 2012-01-02 02:27:10.